quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Green Naugahyde, novo disco do Primus - observações...

É interessante como o guitarrista faz aquela marcação de contratempo do reggae em quase todas as músicas mas nenhuma delas parece reggae.

O som do baixo tá mais bonito do que nunca. O mestre faz sua dança com toda categoria.

O novo baterista é meio exagerado mas manda bem demais no geral, arrebenta nos chimbalzinhos.

O vocal está cantando um pouco menos doente.

5 comentários:

palavras ao vento disse...

não conheço essa banda...

Thiago Almeida disse...

já ouvi falar nessa banda sim, vou procurar me informar mais.

Abçs!

Lilão disse...

Juventude perdida! Como esses caras nunca ouviram Primus! O melhor piscodélico, estrovertido e intocável! Quero ver se alguém se propõe a fazer cover dessa banda! Os caras mandam muito bem!

Niétotchka Niezvânova disse...

também irei procurar mais informações sobre a banda,me interessei bastante :)

V. disse...

Nunca ouvi falar desta banda, por sua descrição me interessei. Em relação aos poemas, acho que cada um tem um pouco de sua "magia", mas como sempre digo: cada um sente algo diferente lendo algum texto ou qualquer coisa do gênero, os sentimentos podem ser sempre diferentes, tanto que quando algum poema é muito complexo, interpretamos de nosso jeito. No geral, curti muito, parabéns a todos.