sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

ida rápida

e as gatas ouvem os intestinos
de seus namorados

uma ida rápida ao centro da cidade
pode trazer coisas boas

você pode estar por ler ou ouvir
um belo recado

e um suco de uva
pouco ou muito fermentado

_
escrito ao som do álbum MTV Unplugged do Alice in Chains

domingo, 23 de dezembro de 2012

boas festas

vida
veia
limpa
ceia

água
guaraná
salgadinhos
saúdam

morena
linda
o que foi aquilo?
que se repita

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Shuffle simples - X

Tenho Pearl Jam, System of a Down, Death, Black Sabbath e Enigma no meu carrossel, coloco pra sortear (shuffle) e cai a premiada faixa...

SYSTEM OF A DOWN - X

e não somente chuva...

álcool serve pra fritar alimentos
nuvem serve para
chover
mas não somente

frito está o cérebro da águia
bebeu tempero demais
mas ainda há chances de recomeço

as cores do mundo são bem interessantes
estamos agora de novo mas não extamente como estávamos antes
o momento é outro, mas de certa forma é também o mesmo
a beleza do tempo devíamos mais apreciar

_
escrito ao som do álbum Le Roi Est Mort, Vive Le Roi! do Enigma e
ao aroma do incenso Botão de Rosa Vermelha da Bic

sábado, 15 de dezembro de 2012

e lá fora os mercados...

ritmo lento
ela está deitada
relaxando
lá fora todos os mercados funcionando
carregamentos dos mais variados produtos
indo e vindo
e agora...
ela relaxa um pouco
logo seu marido chegará
e a amará igualmente como todas as outras esposas
talvez com um brilho mais especial direcionado a ela
assim como os dias são diferentes uns dos outros

logo por já agora
a abóboda celeste se fechou, é noite
e ela se dá o direito
grata
de relaxar
ela relaxa
ao aroma da mirra, do olíbano, do bálsamo...
o ar é tão ameno
a casa cercada das mais belas árvores
o ar é puro e ela respira felicidade
com honestidade
sua cidade
repousa em paz

_
escrito ao som do álbum Symbolic do Death

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

a vida e...

a vida
a morte
e ninguém sabe onde o cachorro morde

a vida
a seca
e ninguém sabe o quanto a noite é preta

a vida
o ócio
e ninguém sabe qual é o seu negócio

a vida
a puta
que ninguém perca o gosto da cicuta

Shuffle simples - IX

Tenho Pearl Jam, System of a Down, Death, Red Hot Chili Peppers e Enigma no meu carrossel, coloco pra sortear (shuffle) e cai a premiada faixa...

RED HOT CHILI PEPPERS - SIR PSYCHO SEXY

se arrastando e rolando

saiu rolando na terra
morrendo de rir com a chuva
completamente entregue
barro

liberdade mandou uma lembrancinha
nada mais do que o necessário
para se sintonizar novamente
na alegria da infância

se arrastando e rolando
para sempre mais

_
escrito ao som do álbum No Dust Stuck on You do Black Drawing Chalks e
ao aroma do incenso Spiritual Guide da Padmini

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

cruz

um vampiro é marcado com uma cruz
na face
logo se afasta
foge selvagem

frades velejam
em suas piscinas de água benta
quem não chora não aguenta
fazer parte desse mistério molenga

sexo é parte da vida das pessoas
padres cheios de moral, estressados nas missas por não terem fodido
isso não deve continuar

domingo, 9 de dezembro de 2012

abraço

além

vitória

busca
expansão

não há cor

vencer a tortura
desafio

afastar-se daquela TV
real

venha logo, noite, me abraçar

outro ambiente

pegar um trem
e viajar até aquela outra cidade
espairecer
conhecer, sentir o lugar
outro ambiente
outra paisagem

achar um hotel pra deitar um pouco
encontrar outro par de olhos
verdes

voar como que deitado em uma rede
espocar minha cabeça com um tiro de martelo bem dado
pela menina que estiver conosco
matar a sede

reconhecer que existe um mato, alqueire
pra visitar... e logo deixar pra trás
passeie
um lago, um mar, um sol
me veja
a amenizar a dor
que eu trato
com mais chuva e prazer
e de repente conhecer
você

sábado, 8 de dezembro de 2012

Shuffle simples - VIII

Tenho Pearl Jam, Testament, Death, Red Hot Chili Peppers e Enigma no meu carrossel, coloco pra sortear (shuffle) e cai a premiada faixa...

TESTAMENT - ALL I COULD BLEED

pique

arranco meu fígado
e dou pras galinhas
arranco minha vesícula
e dou para as moscas

meus pés para o incinerador
minhas pernas para as moto-serras

quero me sentir melhor
brincar de pique se esconde

_
escrito ao som do álbum Symbolic do Death

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

volume

há coisas que foram fetias para se curtir
e não para serem descritas
há óleo de girassol aqui
e também de oliva

mergulhar de cabeça
ajuda a saúde, o momento

e aquele aparelho de som...
aumento

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

proveito, de nada...

_ e você, o que veio fazer aqui, pessimista?
_ eu vim comer duas putas e já estou indo embora

difícil é
uma puta de qualidade
mais proveitoso é
desenvolver uma relação
com uma mulher de verdade

domingo, 2 de dezembro de 2012

Shuffle simples - VII

Tenho Pearl Jam, Testament, Death, Red Hot Chili Peppers e Soundgarden no meu carrossel, coloco pra sortear (shuffle) e cai a premiada faixa...

SOUNDGARDEN - 4th OF JULY

morte triste

morrer
doído
acabou
foi vacilo
você mereceu
bandido
ferrado
sabido

morrer
morreu
acabou
e não valeu
morte triste
em revolta
sangrou
acabou

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

beber detergente

beber detergente
pular de ombro no chão
pode servir para alguma coisa
você não sabe dizer se não

sentidos
gemidos
inanição

justiça triunfará
e eu vou assistir

vigie seus passos
pessoa má

só o amor vencerá

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

batata da onda

merda de porco
esgoto modificado
para o seu bel paladar
totalmente desavisado

sentido volta a existir
e você bem ali
próximo do abismo de fogo

vamos passear depois de tudo temos mais do que miséria

Shuffle simples - VI

Tenho Pearl Jam, Testament, Metallica, Red Hot Chili Peppers e Soundgarden no meu carrossel, coloco pra sortear (shuffle) e cai a premiada faixa...

METALLICA - MASTER OF PUPPETS

pois você pode estar

e aquilo que você pensou que era
não é
relaxe
pois você pode estar inclusive
errado

curta o sol incinerando as veias
voe com o sol, ninguém verá
girar a manivela gera música
hoje você nem precisa mais disso pra curtir
obras primas!

um suco
gelado
ao seu alcance
do nada
o momento é louco
e não é pouco
por entre as vielas vivemos um sopro!

terça-feira, 27 de novembro de 2012

sossêgo

caiu um pouco de água
quando a nuvem se desfez
você estava deitada, sossegada tirando um sono
facas voaram
você quase viu
caiu um pouco de sangue
daquele céu que era seu
mas hoje em dia você está mais livre
o ar
a terra
você está até percebendo o milagre que é o cultivo de sementes
um pouco de terra, um pouco de água e luz do fogo do sol
e temos alimentos
o que faz a plantinha sair da terra e crescer
é a avidez por sentir o ar, ah, o ar!
enche o peito dela de alegria
e então compensa continuar

_
escrito ao som do álbum Ten do Pearl Jam

Shuffle simples - V

Tenho Pearl Jam, Testament, Sepultura, Red Hot Chili Peppers e Soundgarden no meu carrossel, coloco pra sortear (shuffle) e cai a premiada faixa...

SEPULTURA - R.I.P. (REST IN PAIN)

a visão e a laranja

degustar
uma boa laranja
voando está
o prédio em que estamos...

uma boa chuva
a cair do céu
água límpida
limão e mel

degustar
uma boa laranja
praticar
a liberdade

venha cá
vou te arrancar
os olhos
só por um momento
pode deixar que eu sei como o fazer
só pra se divertir
depois você verá de novo
você vai ver como é
não ver nada
ansiedade diminuirá
e então você poderá recobrar
a visão
saboreando...
uma boa laranja

_
escrito ao som do álbum Kid A do Radiohead e
ao aroma do incenso Aromas da Floresta da Bic

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

permissão

tacou cimento
cuspiu e acabou de enterrar
sua colega que conhecera há pouco tempo

mordeu seus seios enquanto tinham vida
arrancou sangue, sem fazer força
curtiu o momento como um raio que se inclina
antes de na terra se descarregar

bons momentos, em transe, estavam
com socos na cabeça ele relaxou seus punhos
assinada estava a permissão dada por ela
_ faça o que quiser comigo

domingo, 25 de novembro de 2012

esclarecer

perseverar
no caminho da verdade
dar um pulo de cabeça
um mergulho no mar

respeito
sempre verdadeiro
não há dúvidas sobre sua existência

tudo se esclarece, tudo se esclarecerá...
a justiça verdadeira triunfa e sempre mais triunfará

no meu caminho vou
protegido estou
tranquilo e confiante
não há e não haverá mais lugar para erro
seja lá o que for feito
para justiça há todo lugar

sábado, 24 de novembro de 2012

Shuffle simples - IV

Tenho Pearl Jam, Testament, Sepultura, Radiohead e Soundgarden no meu carrossel, coloco pra sortear (shuffle) e cai a premiada faixa...

RADIOHEAD - KID A

cidade

a qualidade da cidade
varia de uma pra outra drasticamente
enquanto algumas nos possibilitam uma vista para o mar
que é incansável de se olhar
outras te poem em casa numa cadeia
que você nem mesmo sabe se compensa sair

compensa sonhar, sempre
com um bom calor no peito
um bom progredir
um bom caminhar
um bom som, um bom desenvolver...

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

belo panorama

aquele belo panorama
aquele belo vislumbrar
aprofundado em dez mil vezes por semana
e emoldurada está a chance de perdões

viagem boa ao interior do estado
montanhas férteis e do outro lado
praias em águas violentas
calmas e tenras, por que não?

grão de mostarda da realidade
é viver em perseverança em uma direção
em que há amor e lealdade
vida, sabedoria e ação

uma águia voa...

harmonia
cores no dia
e mais graça à noite
viva! alegria
com base forte
e um louco de um esporte
sangue nas vias
sanguíneas
a bater, bombear
paz
vida
sorte!
serventia

ação
coração
emoção em viver com o momento
às vezes morrendo, sofrendo, mas aprendendo e crescendo
uma águia voa com o vento
transmutando o tormento
vida, via, sentimento...

o teclado é amigo

dia
insegurança

benção
graça
salvação
equilíbrio

o teclado é amigo
o mistério é grande
felicidades
triste

_
escrito ao som do álbum Low do Testament

Shuffle simples - III

Tenho Iron Maiden, Testament, Sepultura, Radiohead e Soundgarden no meu carrossel, coloco pra sortear (shuffle) e cai a premiada faixa...

IRON MAIDEN - HOOKS IN YOU

sábado, 17 de novembro de 2012


foto: autor desconhecido

a vitória do rio

felicidades
amor, prioridade, dizia a beldade
sangra o pescoço da porca!
não tem ninguém vendo!
samba o samba da gandaia!
o que é bonito, o que é bonito é!

o rio flui
o rio da justiça
o rio da fartura
o rio da verdade

com ele fluímos
felizes nas águas
venha cá, amor verdadeiro
nunca esquecemos de você

_
escrito ao som do álbum Superunknown do Soundgarden e
ao aroma do incenso Guia Espiritual da Parimal

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

salvo fui

uvas
eu mergulhei nelas
apareci no céu e de lá sobrevoei
as planícies

obras
desde já
gelo, amor e suco de uva

carne
espírito livre e selvageria
sol, lua e um grande dia
salvo fui
vingaremos o nosso viver
o nosso ser
a liberdade e a verdade
pedem mais

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Shuffle simples - II

Tenho Deftones, Testament, Sepultura, Radiohead e Soundgarden no meu carrossel, coloco pra sortear (shuffle) e cai a premiada faixa...

DEFTONES - YOU'VE SEEN THE BUTCHER

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

um bom partir

as pessoas são assim, imperfeitas...
mas você não as amaria menos por cauda disso
sinta a pressão no seu peito
é toda a sua vida, todo o seu respeito
pelo ser, pelo desejo

massageie as suas pernas
elas são dor, são jeito
um nunca mais do mesmo
nunca mais perfeito
massageie, é o meio
o fim, o começo e o...
semeio?

por semear, semearei
nunca mais aqui estarei
uma chuva, uma gota d'água aqui
já seria um dádiva
um bom partir...

terça-feira, 13 de novembro de 2012

amar

águas

doce

beijo
feito
garantia

amor
dilacerando o peito
maresia vem
e te faz viajar
aconchego
lar

amor
par
o infinito a liberar
paz
dom
amor
mar
um singelo realizar


-
escrito ao som do álbum Diamond Eyes do Deftones

Shuffle simples

Tenho Deftones, Korn, Sepultura, Radiohead e Soundgarden no meu carrossel, coloco pra sortear (shuffle) e cai a premiada faixa...

KORN - MY GIFT TO YOU

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

acordamos e podemos

um rio de águas límpidas nos espera a cada segundo
até que estejamos nele nadando feito loucos
o sol nos aquece como sempre o quis
e uma singela chuva cai pra nos fazer sorrir

as gaivotas passam e bicam nossos olhos
crocodilos submergem e rasgam nossos braços
piranhas logo se aconchegam
e a noite nos engole mutilados

até que aquele rio de águas límpidas renasce
e nos chama novamente como sempre às suas águas
acordamos de um mal sonho e podemos
vislumbrar toda a existência

-
escrito ao som do álbum Back to Basics da Christina Aguilera e
ao aroma do incenso Camomila da Bic

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

de goteiras e varandas

coragem
goteiras
goteiras no escuro...
à noite

você vai até lá e volta correndo

um bonito móvel amadeirado
sustentando a sua tv
assistimos bons filmes de terror nela
um singelo gesto de prazer

árvores
além
além das varandas...
todo o tempo

você precisa viver
a liberdade...

sábado, 3 de novembro de 2012

quantias pequenas

morri afogado
morri desalmado
de costas pra lua
a sereia se foi

somente tristeza
a se superar
agora eu queria
não mais ser do ar

quantias pequenas
mas não tanto assim
você precisa identificá-las
em meditação
e somente então
ter chances pra vida

morri sufocado
morri zé ninguém

vamos, amigas, baleias
morrer baleião

acendo uma vela
morro peão
aqui no meu casaco
o clima é de
torradas

_
escrito ao som do álbum Powerslave do Iron Maiden

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

nade

tinha
nada

vive tudo

frescor ao sol
bala perdida

como um ventilador amigo
a vida prossegue
em quem confiar
o contribuinte descobre

tinha nada, vivia pouco e sem saber
agora vive tudo o que há para viver!

_
escrito ao som do álbum Meddle do Pink Floyd

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

debaixo d'água

água
debaixo d'água
debaixo d'água
eu vivo
eu vivo debaixo d'água
eu moro debaixo d'água
eu respiro debaixo d'água
eu me movimento debaixo d'água
eu sou
eu sou debaixo d'água
água
eu sou algo debaixo d'água
aí meio que também sou água
você, pra mim, é água
o sol, pra mim, é algo debaixo d'água
a noite é água
o dia, mais quentinho, mas também água
eu sou água
eu sou
água
água, água...

_
escrito ao som do álbum Facelift do Alice in Chains

domingo, 28 de outubro de 2012

cova

cova
cave
a sua
e deixe
a minha
em paz...

fundo na terra
está a minha água
não tente entender
prazer em te conhecer
prazer em te conhecer também

_
escrito ao som do álbum Schizophrenia do Sepultura e
ao aroma do incenso Mirra da Bic

conteúdo

secura
pule de peito no chão
agora não precisa mais não

algumas novas telas apareceram...

liberdade em torno da torrada seca
passe uma manteiga e não se esqueça
amanheça

há um sol que carbura tudo
no claro ou no escuro
sempre haverá algum conteúdo...

_
escrito ao som do álbum Meddle do Pink FLoyd e
ao aroma do incenso Rosa Amarela Massala da Shankar

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

livre está o enforcado

uma chuva de desgraça
sem água, com ar
uma chuva de ar
de desgraça

livre está o enforcado

preservo-me em boas distorções de guitarra
busco novamente a minha nuvem de verdade
mas a desgraça se faz de novo valer

eles não têm desconfiômetro

terça-feira, 23 de outubro de 2012

abra bem as janelas

e um rio de sangue

duas xícaras com um bom chá, por favor
quero viajar, quero delirar

e um sol de impostos

abra bem as janelas, eu quero respirar
eu também
e eu?

olha lá, uma estrela de...
luz

_
escrito ao som do álbum The Dark Side of the Moon - Experience Edition (Ao Vivo) do Pink Floyd

terça-feira, 16 de outubro de 2012

caminho, conquista

sofrimento
regulamento
seguindo o próprio caminho
está ávido de vida o ser

conquistar os próprios inimigos interiores
eis um caminho de despertar, cativante

não se engane, transeunte
ninguém faz a liberdade de besta

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

via céu

pétalas de escárnio
não fazem parte de minhas flores
transformo o claro em escuro
morro eternamente em minhas dores

cinza
da minha roupa e do meu frio
azul
do céu e da tinta
reflita e sinta
a paz e a desgraça
corroborando para uma ameaça
que só você pode avaliar
e discenir o real teor
e se libertar
com fogo e com essa moléstia
que te maltrata e não te deixa
uma foice dá um rasgo na sua testa que logo racha o seu crânio
é a foice da vaidade
relembre a sua infância
você é aquele lá
que agora entoa um fá
em uma guitarra desafinada
não liga mais pra nada
deixe o céu se viabilizar
ar

_
escrito ao som do álbum Atom Heart Mother do Pink Floyd

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

cores próprias

rastejar nos ossos triturados
queimar com o sol pra longe
encontrar uma boa cova

viajar com as nuvens
um estudo em um recanto
colaborar com uma pesquisa útil

admirar a lua e sua rotação milagrosa
dar um tiro na têmpora pra relaxar a cabeça
outro, e mais outro
este mundo tem cores próprias

porrada debaixo d'água
mergulho em total entrega
essa você não nega
nadar é bom, o bicho pega

_
escrito ao som do álbum Pop do U2

terça-feira, 9 de outubro de 2012

desgraça

taca fogo no cidadão!
taca cachaça!
arranca a barriga!
arranca e mata!
pule da varanda!
seja parte da parte morta da matança!
coma o seu próprio coma
alivie o fardo de ser
a única dúvida que se tem é: vale a pena tentar? ou piora?
os ossos já estão fora do lugar

tente respirar com qualidade
ou seja, respeitar a respiração e sua automaticidade
valorizá-la
a desgraça está se fazendo valer
mas haverá vitória, sempre mais

_
escrito ao som do álbum Le Roi Est Mort, Vive Le Roi! do Enigma

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

bronzeado

bronzeado
assistindo à novela da vampira
som ligado
à todo o tempo e ventania

litoral
eu fui uma criança inesquecível
bronzeado
infinito

agora temos a música
e o sexo
e alguma letra sem nexo

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

cale-se

afundando

a calma está
onde

decepam-se crânios nas trincheiras

o que é veraz sempre triunfará
além de construídas aparências

e muitos deles querem mesmo é guerrear
quando na verdade não podem aceitar a paz

_
escrito ao som do álbum Live & Rare do Korn

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

ondas da paz

cobras
rastejam com prazer
é a vida de novo nova
é a esperança quem desova

extrema
paz?
e muito além disso

conecte-se
respire
peque a onda de cada momento
você

_
escrito ao som do álbum World Painted Blood do Slayer

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

fermata

pêssego com creme de leite
ela gostava de
frios

salve uma ou duas
já será muito
e suficiente

dia, noite
o tempo se dilata
viva a fermata

_
escrito ao som do álbum Revista Jovem Pan 16 -12 Tecno Hits da Pan

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

filme

a morte leva
como quem quebra um momento sutil

o universo não espera
te desejo uma boa distração
um bom filme de terror
da mais pura
regra?

nada voa como a alma

sábado, 22 de setembro de 2012

remédios mil

injetaram cachaça na barriga do cachorro
tem uma galera aqui se divertindo depois de subir o morro
politicagem vai render nesse ano ainda mais bobagem
o que funciona bem pra um não funciona bem pra outrem

explodir a casa e ficar preso nos escombros
dia e noite farto de tantos assombros
boiada no mato refresca a cuca pois o ar é puro
viver direto na cidade é coisa pra burro

granito preto foi parar na sua casa
tomara que as montanhas não se acabem todas como se tivessem criado asas
sementes vêm trazer a diversidade pra você
remédios mil, basta você querer

rios de ouro não substituiriam os rios de água
frio no inverno ajuda a prever mágoas
triturado está seu cérebro só você pode curá-lo
antes que toda sua vida se escorra pelo ralo

_
escrito ao som do álbum Seven Churches do Possessed

a liberdade vencerá

e a liberdade vencerá
os ossos serão triturados feito café
viva a vítima provará o que realmente é
julgamentos duvidosos serão jogados por terra

o sol estará vermelho feito amor
a tecnologia existirá somente no que for realmente útil
seu crânio está podre e exposto em praça pública
atendidas todas as verdadeiras súplicas

as jaulas dos leões foram abertas
agora eles querem reinar com você
provavelmente você será a presa
como uma ceia disposta em uma mesa

a verdade é verde

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

e uma quadra

vermelho
você escolheu a cor
azul
do céu e do camaleão

frestas de luz
e uma quadra de basquete, futebol e handebol
está próxima de você
mas quem a domina são outros
sonhe à vontade
um dia você terá uma
da mesma qualidade

a casa está arrumada
o aroma é de bem vir
esquartejaremos você esta noite
você vai acordar novinha amanhã, pode deixar

_
escrito ao som da trilha sonora original da novela Bandeira 2

terça-feira, 18 de setembro de 2012

neste clima

o momento morre
e com ele a dor

deitado em lençóis limpos
relaxo ao meu colchão
flutuo como sinto
a paz e a união

o sol lá fora
a janela me revela
um bairro em expansão
pessoas guardadas em seus recantos
a loucura nos escolherá
e nos fará voar gelados
neste clima perfeito

_
escrito ao som do álbum More do Pink Floyd

domingo, 16 de setembro de 2012

alpiste não é pra beija-flor

carregar um monte de âncoras
e as jogar de um alto de um despenhadeiro
e então assistir as nuvens se despedaçarem no céu
a lua chover em sua boca como mel
sem desastres no momento para esta noite
guilhotinas assumem que também podem ser vítimas
coagidas por algum alto leitão
que diz que sabe da lei mas não sabe não
liberdade e um osso para o seu cachorro
isso sim é união
alpiste não é pra beija-flor
néctar doce das flores em dor
este sim é seu alimento
um búfalo passeia em contento
bebe água como um rei incolor
que a benção desça sobre nós
e nos livre de todo pavor

_
escrito ao som do álbum Galactic Prophecy do Simple Man

sábado, 15 de setembro de 2012

som ruim morre

contra arma de puta
castelo de arruda
cruzada no mato
é parte das ruas

ostras aqui
aqui e acolá
o cantor ensinou
agora eu já sei
como degustar
mesmo longe do mar

álbuns ruins
não irão vingar
deixa o tira-onda
um dia acordar
o som ruim não vingará
o som ruim vai passar
o som ruim vai morrer
falsidade não tem vez
isso ele irá
aprender e parar
de encher a porra do saco

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

guia

guia
mate, mas tema, tática suprema
como um bom soar
a vida espera por você
cada vez mais, sempre
deixe o ar
relaxe ao aroma do botão de rosa vermelha
queime com a centelha
em um ímpar vislumbrar
enaltecer, te ensaboar
uma águia sobrevoando o mar
e um dia tudo isso vai acabar
fique comigo, supere o momento
transmute o tormento
esteja acesa
com uma só certeza
essa vida é pra sempre
aqui ou acolá
em todo lugar
que nos convier
que nos abraçar
ácido e açúcar
café e suco de uva
prazer e pestanejar
bons sonhos!
tirar

_
escrito ao som o álbum Somewhere in Time do Iron Maiden

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

única

relaxe
deite e fique deitada
curta um som, em uma ávida
noite de lua, cheia, de graça

saiba
só o que importa saber
como é a vida, viver
aprender e levar o que há de verdadeiramente importante
a arte de saber dos lugares em que se esteve antes
e para onde se vai nessa jornada
onde nos construímos a cada instante
a vida e a vida, mais preciosa
que ouro, que diamante

deite e fique deitada
relaxe ao som de uma boa música
já vou despindo a minha túnica
pra com você fazer valer
a única: a vida

terça-feira, 4 de setembro de 2012

a massa segura

e se a paz custasse a sua alma?
e se a paz já houvesse se apoderado de sua alma?
enfim, a paz não é a sua própria alma?

há paz
nisso já habita a sua vitória
independente de qualquer outra coisa
a paz é

sintonize-se como quiser
há sangue a perder
eu dilacerarei sua alma esta noite
as veias secarão e desaparecerão
a carne virará osso e se espatifará enquanto o próprio osso apodrece
a sua sugestão me fez vivo
agora eu quero o fim, o fim, e mais uma vez... o fim!
assim

arrancar

despedaçando a sua mente
está ela fazendo a si mesma
humanidade está sob a ótica da destruição
que você mesmo fomenta e não sabe sequer reconhecer isso

arrancar suas pernas
arrancar sua dor
pra você viver humilde e sem rancor

arrancar seu pescoço
arrancar seu coração
e dar para os porcos que comeram a sua cara
acabar de se satisfazerem

_
escrito ao som do álbum Kill 'em All do Metallica

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

katatonia

deram lugar à tristeza
a reconheceram como tal
e a sentiram
verbalizaram
sonorizaram
um bom jeito de ir
e sentir o peso que liberta
não apenas alice em correntes nós temos agora
com originalidade e execução exímia
nós admiramos a katatonia

_
escrito ao som do álbum Dead End Kings do Katatonia

exercício

morrer
frito
dia

sonho
noite
sozinho

som
incenso
sala
elo

exercício
contínuo e natural

_
escrito ao som do álbum auto-intitulado da Zélia Duncan

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

necessária realidade

cadeia
cadeia da dúvida
esclareça-se
dúvida miserável

olhos verdes numa morena
ou estupidez corroendo o momento
qual tem mais a ver com a realidade?

ilusão não é minha praia
nem distância
vamos acabar com a ignorância
e nadar tranquilo

_
escrito ao som do álbum Low do Testament

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

frio

frio
mais frio
muito frio
um ódio de frio

e alguém
alguém como você
um alguém além
alguém de bem

um bom filme
suspense, drama
só por hoje
depois do horário de serviço

_
escrito ao som do álbum A Matter of Life and Death do Iron Maiden

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

a dádiva da nação

difícil achar filmes que compensem comprar
um suco de limão pode ser mais caro que um refrigerante
fritar um aipim e comer bem salgado

um sorvete de passas ao rum escondido no congelador
uma pizza para qualquer hora
tamarindo é compreendido apenas pelos que têm a mente aberta

água só quando se está com sede
frutas fazem bem à saúde
e também um punhado de amendoim
feijão sim, miojo não
a dádiva da nação

_
escrito ao som do álbum So Far, So Good... So What! do Megadeth

domingo, 26 de agosto de 2012

doente

e assim vive o doente
quer acertar tudo, não acerta tudo
difícil é ele aceitar sua malha de erros
que mesmo os contendo
ainda pode ser aproveitada

assim vive
o doente
preocupado ele fica
se pequenos detalhes lhe escapam
ele acaba aprendendo com o texto no mesmo momento em que escreve
e o que ele aprendeu ele só pode passar com outro texto
ou viver se auto-corrigindo

assim
viva!
o doente
tem lugar pro doente, minha gente!?

acaba que ele ajuda demais
mas fica contrariado
porque muita coisa acabou que não ficou esclarecida
não suporta o erro, e o erro encima de erro, que por sua vida talvez tenha se ocasionado
é insuportável

mas doente que é
também pode ter um pouco de fé
e seguir em frente
com sua honestidade e... lhe faltou um termo agora

doente que é
não vai aceitar que saibam
que o erro ele desgosta
vai acabar tudo em bosta
que ele não se misture a ela para viver
e siga em frente

_
escrito ao som do álbum Green Naugahyde do Primus

continuar estudando

no aconchego do frio
quando não há mais nada para escrever sem musicar
o poeta ainda insisti em permanecer nos limites da tecnologia barata
branco, preto, letra, literatura, alfabeto
e a imaginação voa
mesmo sem a música
e assim o poeta espera
que o momento seja pleno

levou o prêmio de ser alfabetizado
pode repartir ideias com várias outras pessoas
que neste domingo também estão um pouco à toa

e o que de melhor além de continuar estudando?

_
escrito ao som do álbum Green Naugahyde do Primus

macarronada, céu, livros, velhos sons...

dia e noite
lua e ócio
diamante e palavra
ricos grãos, salada
na verdade mesmo uma macarronada

festas pelas ruas
poderia ter rolado uma praia hoje, hein?
céu com sol, mas com também pesadas nuvens ao redor
é um momento de sol e logo no outro pode não ser mais
céu

organizar os livros
encontrar e revisitar velhos sons
alguns surpreendentes
outros nem tanto

o choque n'água ainda está perdido

_
escrito ao som do álbum Levitate do Paper Diamond

sábado, 25 de agosto de 2012

estação ar

uma super harmonia
entre dentes de teclados
um tom sombrio, um tom suave
tudo o que faz é à par da clave?

esperança em um sol brilhando
parte da vida, contagiante
um mergulho no mar, que coisa boa
deixe ir, não faça nada
aí vem a natação, cansar os braços
refazer nervos de aço
repousar em um aconchego
conquistar um novo beijo
explorando os devaneios
estação par, estação ar
estação dois, estação pois
estação ar, ar
estação ar, estação... ar

abaixo

foices
diga-me

escolhas
díspares

re-encontro
dádiva

vida
ceia

destruição, agonia e choro

_
escrito ao som do álbum Koloss do Meshuggah

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

foto desse mundo pra lembrar no outro mundo


eu, a constituição brasileira na estante, o snickly na minha mão que eu fiz do barro e pintei, ao fundo dois dos óleo sobre tela de tema abstrato de minha autoria e no chão a água e a ração da minha gatinha de estimação nina...


no detalhe: o snickly... qualquer semelhança com o Tom Araya é mera coincidência


...e essa é a gatinha nina

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

profundo mel

certeza perdida

carne mordida

balanço final?
balanço final

entrar nos trilhos
correr os cem metros rasos
nas próximas carnificinas

conquistar uma filosofia
viver a alegria

trazer o mel

_
escrito ao som do álbum Dark Roots of Earth do Testament

domingo, 19 de agosto de 2012

em um piscar

a desgraça ressurge
impávida, como nunca
cheia de certeza, sem dúvidas
como um rio que se evai inteiro em um piscar
confiante

como se salvar?
ela é grande
mistério, razões?
estilhaçado
face contra o vidro
fogo, chamas
desvario
disfarçada
desgraça
incólume
como se salvar?

preciso viver
ajudem-me
livrem-me do inimigo

_
escrito ao som do álbum ...And Justice for All do Metallica

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

te mordia

e o que então era sangue
e o que então era cedo
transbordou pelo vale do medo
da incerteza e da razão
te conheço não

livres padarias pelas ruas
de qual delas vem seu pão
letargia, amor, perdição
pelos olhos de um advogado pleno
vou também tomar veneno

olhos claros e esbugalhados
carne boa mas não salva
não há serventia
para o que não é de verdadeiro valor
temor

dias ora castos
penhascos animados
para te engolir e te machucar
suas sombras e devaneios
que um dia você pudesse verter
em riqueza realmente

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

e que a vida continue mais vida do que nunca

cinza sobre o...
amarelo, verde e incolor
não machuque a perseverança
guarde sempre em bom alcance
aquele livro que você começou a escrever

respeito, graça e...
prudência pra você
viver e se esbaldar
como uma linda canção ao luar
cantar

o ambiente é vasto
respiramos alucinados
pelo dom da vida
gelo, som, garrida
somos diferentes
somos também bebida, comida e... torcida!

_
escrito ao som do álbum The Division Bell do Pink Floyd

terça-feira, 14 de agosto de 2012

mundo de querer ser

morram todos enfileirados
fazendo de conta que gostam de músicos ridículos
só porque os acham legais, politicamente corretos
que a bala da sua falsidade atravesse a sua garganta
você é a favor de execução, fuzilamento
não respira um só inspirar de honestidade
em seu mundo de faz de conta, mundo de querer ser
acreditando em seus dogmas, tentando propagar e viver suas mentiras
que a sua vítima seja antes de mais ninguém você
precisamos respirar

um rio de sangue transbordará
e sua casa será
para sempre
uma piscina
vermelha

_
escrito ao som do álbum Koloss do Meshuggah

domingo, 12 de agosto de 2012

e o passeio então se desenha

um passo após o outro
e o passeio então se desenha
entre etéreas e lindas paisagens

madeira
água
recanto

e então ocorre uma foiçada
quem será que a morte levou do belo jardim?
que seja justo
que seja puro
que seja mais

a máquina roubou o colo que era do gato
mas ele ficará bem
a vida é formada dos mais variados momentos
ele terá o dele, certamente...

_
escrito ao som do álbum Levitate do Paper Diamond

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

dúvidas não

eu
congelado
querido?
fanático

eu
gelado
quero
quebrado

esperar?
conquistar?
verdade?

seja feliz
você é tudo de bom

e que minhas dúvidas me matem
não, por favor

_
escrito ao som do álbum Shark Wolf Rabbit Snake do Eliot Lipp

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

um novo

há paredes
há chão
há teto
e você pensa que sabe em qual deles você está

há uma lua
há um sol
há contento
e você ainda pensa em escolher um melhor dentre eles

diversidade
plenitude
ação

um vôo
um novo
um solo
tem gente querendo voar também

_
escrito ao som do álbum Levitate do Paper Diamond

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

aconchego de tubarão

beber álcool vermelho
evitar a luz

dominar as ruas durante a noite
te provocar com um açoite
açoite

aconchego de tubarão
é o alto-mar
o meu é caixão
ao azul luar

roupas confortáveis
mordidas em seu pescoço
velocidade da luz
sentindo todo o seu gosto

_
escrito ao som do álbum Shark Wolf Rabbit Snake do Eliot Lipp

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

e cereja

cravejando balas
o tolo se esconde

enquanto outro
cerveja
e
cereja
à mando

louco vislumbrar
grato despertar
e essa coisa toda...
já tem a ela mesma

-
escrito ao som do álbum The Slip do Nine Inch Nails

segunda-feira, 30 de julho de 2012

tangente

vidas na pocilga
chance de outra vida
grato pelo sol
emotivo pela chuva
ela continua pisando uva
para a você dar de beber
e o gostinho da cerveja
pode destruir sua alma

dia de atrevida
sempre na descida
sem freio e sem contento
ela gostaria de ir um pouco mais rápido
tacar álcool e atiçar fogo em você
sobreviva

se o amor acabar
se o amor persistir
se o amor ficar
se o amor morrer
e ressuscitar
o veneno terá proveito
e você ainda continua suspeito
de amar demais

chuva de sol
lua de uva
uma cor proibida
dirija a curva
não saia pela tangente
não pise muito fundo
defunto

_
escrito ao som do álbum Neon Ballroom do Silverchair

sábado, 28 de julho de 2012

pato

curtir o tosco
depois curtir o sublime
cada dia é cada dia
cada dia de cada um

sangue está circulando forte
e rápido
por todo o corpo
o ser disso se lembrou
e agradeceu pelo milagre da vida
grato

doente feito uma pedra
curtindo suas lagoinhas
ajudando a organizar
e a compôr
pato

admirando
multiplamente
enquanto uma língua adiciona
a outra multiplica
cada uma serve melhor em determinado ramo
fato

o ser humano também voa

_
escrito ao som do álbum Koloss do Meshuggah

domingo, 22 de julho de 2012

área liberada

um momento só
dois momentos só
um bom incenso
um bom som
recolhimento
satisfação
liberdade
simplicidade e humildade

meditação
dançar
valorizar
gratidão

em um canto feito meu
se em outro lugar não podia ser
no meu canto pode

planejando churrascões
visualizando circunstâncias apropriadas
curtindo o momento desde já
amigos aprouverão
à noite
ou no sol bom
cadela presa
área liberada
e no som só liberdade

_
escrito ao som do álbum auto-intitulado da banda Black Sabbath

quarta-feira, 18 de julho de 2012

brilhando no céu

não atire pérolas aos porcos
não se misture aos destroços
deixe passar, eles ainda tem a dádiva de beber água
que um dia secará

estudar história, geografia...
química...
se for permitido é uma boa
fuja do infeliz
salve-se quem puder

meu sol está brilhando no céu
todo meu organismo agradece
conquisto minhas vitaminas
mantenho a minha prece
e quem são os que não o merecem
só o vento dirá...

_
escrito ao som do álbum III do Led Zeppelin

terça-feira, 17 de julho de 2012

de petróleos, encontros e sonhos...

chuva de petróleo em poça
ainda vai dar muita mosca
é muito pouca gente pra roubar tudo
conseguirão?

queríamos mais ruas asfaltadas
mais praças, com mais quadras poliesportivas
gostaríamos de jogar um futebol

gostaríamos de menos poluição
de mares e praias limpas
ar puro e árvores frutíferas
mais e mais...

...se encontrar e trocar ideias
sobre o que é isso tudo
um beijo, um abraço, e se for o caso
mais um encontro...

essa a vida é
essa é a vida que passa
valorizemos nossa vida
pois sabemos pouco do que ela realmente é
se com a morte dormiremos para sempre
cuidemos para que sonhemos com qualidade

_
escrito ao som do álbum III do Led Zeppelin

domingo, 15 de julho de 2012

de fato querido

dia
noite
sossego
coito
lua
sol
trabalho
vida
morte
escolha
sábado
domingo
segunda?
conquiste
brilho
empecilho
superado
caminho
feito
ação
vida
morte
união
progresso
tranquilidade
modéstia
humildade
respeito
reforço
amigo
de fato
querido

ninguém vai me tirar do meu centro
os comédias morrerão ao relento
não importa o quanto tentem se esconder
fazendo de tudo só pra dinheiro ter
a justiça provém com equidade
e de você que nunca mais vi tenho saudade

_
escrito ao som do álbum Low do Testament

sábado, 14 de julho de 2012

divertiram-se naturalmente

sanduíches!
veias
sendo cortadas
agulhas
mais que visadas
abraço o seu braço aqui
fecha a mão, aperta o punho
sua heroína chegou pra te salvar

florestas mil!
verde, abelha e maribondo
deixe estar e eles serão amigos
área limpa
para um bom curtir
o universo
todo visível
aventura de maluco

mataram um amizade outro dia!
acerte a sua expressão ao se dirigir ao público
notícias tristes são notícias tristes
quando o assunto for mexericas são também chamadas de tangerinas
você pode esboçar um singelo sorriso

voei, voei e bati de cara com um precipício!
veias se divertiram naturalmente
uma pequena cicatriz se fez existir
pularia de novo
a gente percebe que as coisas estão realmente ficando caras
quando o kinder ovo está com um preço em conta
conta!

_
escrito ao som do álbum Live & Rare do Korn

um dia



diversas vezes
te vi pensar
e o que você pensou
não valeu a pena

um fracasso se ergue no horizonte
você ainda sem o seu melhor bronzeado
minto

livre nas feiras, você estará
você está

orçamento organizado
você merece um dia na Terra
e quem sabe?
mais um?

motivo torpe?
ainda há chance
deixe a mulher respirar
estou com saudades
venham me buscar
um dia eu te acho
na chuva ou no mato, ou no medo...
de nunca ter vivido
que alguém possa ter
ou possa ter tido
vejamos a vida por hora



_
escrito ao som do álbum Diorama do Silverchair

quinta-feira, 12 de julho de 2012

relaxar e... voar

pode ir
há algo além do medo
você sofre em segredo

ela queria um banho de água mesmo
limpa
ganhou na loteria e não sabia do seu monte

frio fazia do lado de cá da ribanceira
quantos dias faltam para o dia deixar de ser dia?
acontece com todo dia

dentro
duas vezes houve fagulhas
e as fogueiras estão alardeadas
num tipo: _ deixa queimar?

cânhamo, álcool...
perderia você a sua vida em um salto?
dificilmente
algumas coisas são como seguro de vida
mas, por outro lado, quando misturadas com outras que não o são
pode ser perigoso

deixar morrer
relaxar
voar

há ar!

_
escrito ao som do álbum 7 Vezes d'O Rappa

domingo, 8 de julho de 2012

para sempre jabuticaba

um bom vinho de jabuticaba, irmão
de Santa Teresa!
subir a colina e degustar os mais variados licores
de uma qualidade excelente
matar a vontade em um banho de cachoeira
uma sinuca, um agasalho...
touca! luvas...

imagine você lá, pequena vítima
esquartejar-te por inteira
viva!

um bom vinho de jabuticaba, irmão, com certeza!
pra sempre!

e você, pequena
você em sangue, em vinho...
se debatendo no chão, buscando a morte pra solucionar sua riqueza, sua vida
que se esvai tão rapidamente, mas ainda assim, dura uma eternidade

bata, se bata, se batendo no chão...
seu crânio ainda está ligado ao corpo...
mas a mente não
e você tenta alcançá-la
pra ter uma chance de pensar de novo antes de se ver completamente morta
como um rabo de lagartixa
sempre!

sábado, 7 de julho de 2012

tempo e respeito

ácido
vermelho
carro

verdes
olhos
caro

impressões dúbias
não há...
amor há
então o que que não há?
respeito

falta respeito, vaqueiro
ela não te respeita
será que ainda há algo pra viver com ela?
impressões dúbias...

amor sem respeito?
com que vitalidade você respeita a vida?
ela ajuda a sua vitalidade?
ajuda...
talvez seja ilusão, pois sem respeito, o que há?
falta de maturidade?

não sei, me parece que algo sobrevive, mesmo sem respeito...
e será mesmo que o que falta é respeito?
ou já não falta mais?
agora que você identificou o que faltava, respeito...

vamos dar um tempo ao tempo
ela começou a te respeitar?
ou só quer comer seu sexo vivo?
mastigar, deglutir, pacificar...

se for respeito o que falta tá resolvido
só precisamos nos atentar a isso que antes não percebíamos

aguardando um pouco...
pra ver como que é esse surgir de respeito...
dar um tempo pra ver se ele aparece e funciona
e se era ele realmente o que faltava

tempo
tempo
tempo
tempo

será que é respeito tudo o que falta?
bom, talvez não seja tudo

viver um dia, dois, dar tempo ao tempo...
contemplando o surgir ou não, o existir ou não, de respeito...
assim como a consequência de ele surgir, passar a existir...
talvez seja tudo
se for tudo vai ser bom demais
mas muito provavelmente não é tudo, vaqueiro

passando a também respeitar ela
algo recíproco
talvez era uma falta de vocês, não somente de um ou outro
vamos embora, vaqueiro
você não quer arriscar

você quer outra
não quer nem respeitar?
impressões dúbias

linda
confiável
independente

ajuda
companhia
surpreendente

sim, você sente algo por ela
será algo a mais do que simples admiração?
_ desejo o melhor pra ela
nós sabemos, vaqueiro
mas por que não está rolando?
_ eu gosto de morenas...
tudo bem, cara
então passa pra outra
você deve estar se perguntando se não compensa fazer um teste
com esse lance de respeito
passar a respeitar como uma chave
para a possibilidade de um bom desenvolvimento do relacionamento
sim, é válido

relaxe, vaqueiro
viva a vida
ela te ama...

ama?

_será que estou quebrando o coração dela?
isso você não gostaria
o que fazer?
_ eu quero uma morena, daqui perto de mim...
ela está longe
é, ela está
mas pode estar perto
ou você teria coragem de ir onde ela está
_ só depois de um contato pessoal ou algo que o valha...
você não quer...

tempo

apenas tempo

_
escrito ao som do álbum Seventh Son of a Seventh Son do Iron Maiden

corriqueiro

irá o amor persistir?
depois de ser pisado
por uma ninfa
que não aguentava mais
viver
com tanto tesão
precisando se ver livre dele de qualquer forma...
pois foi instantâneo
no trânsito
corriqueiro

surpresa
maldade
tesão
piedade!

tão linda com as coxas jovens
que ainda nunca conheceram vara
que surja uma oportunidade rara
de nós esclarecermos isso tudo

passou e já foi embora
veneno ou fogo do inferno?
não se sabe responder
quero foder com você

segunda-feira, 2 de julho de 2012

excelente mistério

vivo
e nesse planeta há uma lua no céu
um sol no céu
e estrelas, muitas delas

imagine como seria em outros lugares
se é que existem
em um céu tão vasto
pode ser que existam

as árvores...
suas flores e frutos...
o mar, a areia...
a terra...
o sol, fulminante...
sangue, vermelho
noite preta

como é belo o nosso planeta
andemos de bicicleta para poupar os ares da fumaça dos carros
plantemos mais árvores frutíferas
bebamos mais água
bem...

há ciclos e ciclos
todos em um excelente mistério

_
escrito ao som do álbum III do Led Zeppelin

domingo, 1 de julho de 2012

bom peixinho

eu respeito
a flor da morte
eu aceito
a flor da morte
limpa e então minha
flor da morte
fortuna graúda
desejo e saudade
tomando um sol
e a água salina
a robustecer
a claridade
meu corpo voa
ao expandir-se no sol
forte e saudável
a figura da sua presença
guarda-te pra mim, ó, sereia
sinto a delicadeza dessa areia molhada
gosto de você das mais variadas formas
para as mais variadas situações
fritar no sol
como um bom peixinho
isso é apenas eu
curtindo sozinho

_
escrito ao som do álbum auto-intitulado da banda Black Sabbath

sábado, 30 de junho de 2012

e dirigido...

muitas pessoas assumem túmulos
mas não são sequer pra descansar
um levantou agora, isso pode mudar
aceitar a vida em sua leveza
o direito de liberdade e de expressão
o excelente poder do momento que nunca vai passar de novo, então...

faça um registro
voe num zepelim de bronze, liberado e dirigido...
morra, desfaleça
agora mais do que nunca
que o seu túmulo seja a vida
agora e à toda prova!

_
escrito ao som do álbum III do Led Zeppelin

quarta-feira, 27 de junho de 2012

a tela está branca

aproveito aqui que a letra é minha
aproveito aqui que a tela está branca
faço uso então de uma simples tecnologia
teclado, texto, literatura, alegria

um crocodilo rasteja feliz
vivendo todo seu pântano
como alguém que está em cânhamo
ele realiza seu viver

uma linda morena passeia triste
não sabe nada ainda do bem-querer
da simplicidade da vida
do compartilhar, receber

que a carne seja veículo
e nunca tome o lugar do espírito
funcionamos de bom grado
pelas saídas, pelo êxito

feliz

segunda-feira, 25 de junho de 2012

deprimente

paralisia
olhos voam
ao redor
o que fazer?
sem ela não
quem ela é?
uma discussão
tão pobre e raro
anfitrião

gasolina
espalhada na cinza
de seus cigarros
quase que tudo
quase que tudo explode
acalente-se em seu recanto, ó, ser
não dá mais pra morrer

ao menos sinta
ao menos mate
ao menos morra
ao menos esteja sempre a par de tudo
de tudo
que se exploda
quero viver o presente
que a gente sente
não narrado, nem tão doente
apenas deprimente
pular na chuva
escorrer a mente
quem sabe algum dia alguém se

quinta-feira, 21 de junho de 2012

um lugar

dez cataventos
dezessete bueiros
dezenove quatro cinco
dezessete oito meia cinco

me dá um lugar no campo?
preciso descansar em bom ar...

nove vezes dezenove vezes quatro vezes dois
atmosfera mega de deixar pra depois
sete vezes sete vezes sete vezes quatro
não há chance pra quem gosta tanto de ser um pato

um bom lugar pra ficar, em um lugar tranquilo...
existe ou estou fora de eixo?

nove vezes oito vezes quatro mil novecentos e noventa e sete
sete vezes quatro vezes noventa e cinco vezes novecentos e noventa e sete
nove vezes, vezes nove, vezes nove...

ei!? há um lugar!? em que eu possa ficar?

nove vezes nove vezes nove vezes nove vezes nove vezes dezenove...

tem não

_
escrito ao som do álbum As Cidades de Chico Buarque

domingo, 17 de junho de 2012

três pés de laranja

pinte o céu e o chão de preto
pule lá de cima daquele prédio esquisito
morra de picada de mosquito
aceite o plano B não tão bem quisto

três pés de laranja pra você chupar
e quando acabar
acabou
até outro dia
preenchi seu vazio
te dei sua comida
outro dia você chupa mais
e quem sabe se não mesmo hoje
dói muito
tenho um pouco de medo
a sua flor da morte parece poder acabar comigo

chão e céu
está escuro agora
deitamos ao luar
ouvindo um pork soda do primus

_
escrito ao som da Rádio Antena 1

sábado, 16 de junho de 2012

uma palavra para... (brincando de poesia) XII

- pink floyd --> skyline
- meshuggah --> brunette
- desemprego --> bread
- nirvana --> accustom
- erro --> bondage

sexta-feira, 15 de junho de 2012

cantar

chuvas arcanjassauras
conteúdo cor de rosa
rosa frívola, rosa que mata
com seus espinhos, enquanto a cata

ela é gostosa
o chão é rosa
como ela aqui
e eu como ela acolá
cheias de flores as árvores ao ar

venha chamar minha cama de puta
venha deixar a vara cantar

quinta-feira, 14 de junho de 2012

festival frutífero non-sense


morango


kiwi


cajá

Entrou nessa garupa saindo sangue e perguntou! Opa, eu quero um cajá em pessoa na bacia. Não, mas só tem morango do lado de lá do ponto de ônibus. Morango mandou um beijo e já está do outro lado.

Prefiro cajá.

-
escrito ao som da Rádio Antena 1

terça-feira, 12 de junho de 2012

temperados com sal

_ Joga sal! - pedia a desafinada.
_ Não. A ferida está muito aberta. - rebatia seu namorado.
_ Por mim você jogava sal logo.
_ Vamos esperar até o próximo estágio.

---------------

Acabou o sal na terra das cachoeiras e o mar era longe pra pegar água e deixar pra secar no sol até ter o sal.

---------------------

Dois dias depois...

_ Tá doendo demais meu joelho, era pra você ter tacado sal aquele dia.
_ Não taquei porque não quis, eu tinha sal.
_ E por que não tacou?
_ Eu achei que não era a hora.
_ Taca agora então, taca logo.

João Abelardo foi até a cozinha então e pegou um pouco do não tão abundante sal na terra das cachoeiras que havia estocado, trouxe e tacou no joelho da namorada.

_ Janaína, agora vai dar certo.
_ Ai, ai! Tá bom já.
_ Certo.

----------

Vamos temperar as comidas com um pouco de sal.

-
escrito ao som da Rádio Antena 1

terça-feira, 29 de maio de 2012

uma palavra para... (brincando de poesia) XI

- britney spears --> Brazil
- drogas --> essay
- música --> bib
- madonna --> breach
- pushflows --> Brazil

segunda-feira, 28 de maio de 2012

aprendi algo com você

oito e trinta e cinco
um canário te assiste
você acha que sabe as horas
mas são sete e dois

frio vai fazer sábado que vem
com todas aquelas cobertas a te ajudar
uma boa cama onde há ar
para repousar e deixar viver

ainda conto com você
tem óleo e sangue na sua cozinha
sem mais aquelas crises anti-dopamínicas
você quer viver
quer quebrar a jaula
expandir a mágoa
que seja ser

você escorregou no óleo
na sua cozinha
e ainda há sangue
você matou muito
uma afirmativa
sem necessidade de interrogativa

uma boa companhia
você é
acredite
aprendi algo com você
você é triste
você é sempre algo a mais
você não desiste
pois já desistiu há muito tempo
sem nem mesmo precisar de ter desistido

eu gosto da sua memória
acho que você não tem memória
tem algo mais parecido com uma tromba de elefante do que com memória
como será que funciona a sua mente?
memórias importam?
nada...
elas se tornam algo mais importante
de diferentes formas
de acordo com cada uma
ou grupo delas...
memórias...

não acredito que você pode fazer tudo isso
dilatar memórias dando lugar a algo novo e independente
sem deixar de valorizá-las
e deixá-las trabalhar
deixá-las ser
uma frase
ou duas

agora são oito e vinte e dois
você outro acreditou?
acho que você precisa deixar de acreditar em relógios
pelo menos um pouco
agora são dezenove e nove

domingo, 27 de maio de 2012

pesado o pé de uva

pesado o pé de uva
mata cem, e a um agrada
dia de morte
cemitério sombrio
suba até o topo da chuva
e se jogue ao léu
lá de cima do céu...
com mel

amar as torradas americanas
ficando prontinhas na hora do lanche
com mel?
geleias
mel e geleias

um céu azul
mandou um beijo
pra uma nuvem ao sul
deixe chover água agora
a gente ama água

lindo dia...
linda alma
linda morte
linda calma
linda sorte
linda
alma
linda
calma
lindo dia
linda...
calma

_
escrito ao som do álbum Blood Sugar Sex Magik do Red Hot Chili Peppers

putada

cara de curioso
rosa puta
descansando
na patrulha

colher fome no mato
matou cangaceiro
cansado de enterro
vida de putada

cangaço forasteiro
cangaço mineiro
carregar mais agulhas
matar depurado

_
escrito ao som do álbum Low do Testament

quinta-feira, 24 de maio de 2012

mude, ajuste...

sete luas não eram o suficiente
mude o coeficiente
ajuste o nível do demente
prenda ele numa gaiola longe da gente

cinco vezes campeão é muito pouco
ele canta, não força a voz, nem fica rouco
esperando o dia que lhe darão o troco
ele precisa mesmo é de na cara levar um soco

sete pererecas é muito pra ele se for de uma vez só
se masturba feito gado nas curvas que dá dó
não consegue nem estudar mais direito, talvez jogue um dominó
precisa recuperar a fé na vida ou sofrerá ao pó

_
escrito ao som do álbum Live & Rare do Korn

terça-feira, 22 de maio de 2012

não quaisquer, apenas qualquer...

um tijolo depois da cama
ela só queria delirar um pouco

raptos de...

um dia e meio garantiu a vontade dela...

ela só quer mudar...

fazer ali... acolá

dias assim que fazem frio ficam sendo só parte da parada
até a próxima parada...

um quilo de sal, guilhotina e blocos de gelo...
ela só quer deixar vir...

você entenderia...
seria até bonito se não fosse trágico

até que ponto a vida vale a pena?
quando você não tem alguém pra curtir e evoluir junto...
trabalhar o espírito fazendo uso da carne devota

como que é essa parada de que qualquer carne serve?
não quaisquer, apenas qualquer...

a droga fornece o resto

ela só queria estar ali
e sentir-se livre

sexo casual
fé na... vida?
fé na droga...

_
escrito ao som do álbum A Matter of Life and Death do Iron Maiden

segunda-feira, 21 de maio de 2012

uma palavra para... (brincando de poesia) X

- black sabbath --> onerous
- trilha sonora de novela --> radio
- cinema --> slacken
- comida --> observation
- perfeição --> escapee

domingo, 20 de maio de 2012

sexta-feira, 18 de maio de 2012

colegas gelos, colega limão, colegas amoras...

uma amora daquela árvore
ela queria alcançar
ela queria driblar
os galhos, os ventos
e comê-la por inteiro

mas uma só não seria suficiente
ela quer mais uma amora
é como o amor em seu peito
precisa de frio
frio e aconchego

depois de uma meia hora da tarde dedicada à colheita
tinha comido meras três amoras
pra ela estava ótimo
ela gostava de valorizar o que tinha
de pouco a pouco vislumbrar um apenas pouco
mas muito... muito no coração
no incomensurável onde tudo começa se misturar
onde não se sabe mais o que é pouco ou o que é muito
onde se está...

entrou em sua casa e preparou um copo com gelos
espremeu um limão e deixou estar...
depois de alguns instantes, resolveu:
_ eu quero amora pegar!

para fazer uma nova mistura
limão, amora, gelo...
conseguiu três logo de cara...
não se sabe se porque já estava morta...
sim, morta...
os gelos a mataram...
acobertados pelo limão...
que a distraiu com seu delicioso gosto ácido...
foram os gelos...
porque eles resolveram...
e ela não percebeu...
que estava morta...
só depois que fez a mistura com amoras... percebeu...
algo diferente... quando as bebeu... seu espírito se aquietou...
em um piscar intenso de luz... foi levada dali...
foi para outro aspecto do universo... um outro lugar...
e as amoras ficaram satisfeitas...
de a salvar...

_
escrito ao som do álbum Le Roi Est Mort, Vive Le Roi! do Enigma

segunda-feira, 14 de maio de 2012

the vinyl feast!


O vinil está de volta em minha casa, com um sistema de som bastante improvisado, mas já vale a pena...

E ontem, pra fechar a noite:
Pantera - Cowboys from Hell - Lado B

E hoje, já rolou um:
Alice in Chains - Dirt - Lado A
The Cure - Staring at the Sea (lembrando que nesse álbum o setlist da versão em vinil é ligeiramente melhor) - Lado B, e seletivamente a faixa Charlotte Sometimes do Lado A



VINIL É FOGO EM FORMA DE SOM!
ATRITO EM ONDA ESCAVADA!
DO ATRITO SE FAZ O FOGO!
DO ATRITO SE FAZ O SOM!
SOM!
FOGO!
AR!!!


rsrss...
respirar...

domingo, 13 de maio de 2012

uma palavra para... (brincando de poesia) IX

- rock and roll --> culminate
- vida --> keep
- abstinência sexual --> observe
- catolicismo --> enumerate
- mãe --> rivalship

I Stay Away


Depois de ouvir um em bom estado lado A do Jar of Flies em vinil, o lado B não rolou tão bem, a agulha recusou... só não recusou as veias dos caras, rsrss...

sábado, 12 de maio de 2012

mas que disparate, ó, ser...

olhe só

ela tinha
um medo danado
de atravessar a rua sozinha
à noite, naquele asfalto
morreu desde pequenininha
tudo era sal puro
cloreto que vivificava
todos os dias no estudo

a vida virou a curva
agora ela é alvo puro
levando a vida à toa
com o coração, escudo

mas que disparate, ó, ser
o coração...

olhe só

ela gostava de foices
rufando no clarão da lua
nas noites de soberba cura

mandaram matar
agora no mato
mas ela está viva
um recanto de fato

domingo, 6 de maio de 2012

na carne junto com o feijão

pedaço de carne mal passada ainda saindo um bom sangue ela gostava de comer sem pressa cada vez mais esgotada cansava de comer carne crua esquecia qual rua era a dela vagava feito uma aventureira sem vontade de viver um então gostamos todos de mussarela com geleia, alcaparra ou filé minhão mas sangue era um gosto só dela na carne junto com o feijão a culpa é de quem, ó, destino? a culpa é de alguém, ó, destino? existe culpa, ó, destino? coma com açúcar, ó, destino...

sábado, 5 de maio de 2012

uma palavra para... (brincando de poesia) VIII

- poesia da pocação --> calamity
- testament --> crusty
- religião católica --> calibrate
- pantera --> glucose
- suicídio --> leadership

quinta-feira, 3 de maio de 2012

distinto chão saúde

outro marcador de bobagem
quando será que a tinta irá secar?
ela não aplaudia mais multidões de vespas
agora o lance é sorrir ao mar

quando será que haverá paz na esquina?
ela gostava de mirar o mar e deixar viver
um pouco aqui, um pouco acolá

areia pra pisar, beber e morrer
muitas tintas vinham com cores não repetidas
os carros gostavam das flores e sempre souberam rodar suas rodas
antes mesmo que agora havia um mar e um pássaro ali
que mergulho profundo
ela está a se atirar agora
ao mar
como se atirou à frente de carros algum dia

não tente descobrir as rosas
elas se fazem de violetas
e sangram a vossa face
contando que são margaridas enquanto realmente poderiam ser orquídeas

um solo tão grandioso, uma oportunidade tão frondosa
ela curtiu aquele tronco de árvore
coisa que só dá pra fazer na roça
não tente imaginar o possível
ele é detalhista demais
pule logo aos garfos, aos patos e aos alqueires de distinto chão saúde
a comida vai te matar por você, os patos te alegrarão e ao chão...
você se despedaçará

terça-feira, 1 de maio de 2012

o brasil e o devastador

_ Que a peste o devaste, ó, Brasil!
_ Ei, espere aí. - disse o Brasil - eu quero saber pelo menos o que eu sou...
_ Nunca saberás, meretriz das meretrizes. Doaste toda a riqueza de vossas terras por um valor, que se não fosse trágico, poderia ser chamado de simbólico. Você deu tudo aos outros, Brasil. E ainda quer dar, porque nem tudo acabou. Mas você luta, desesperadamente para acabar com tudo...
_ Mas, eu sou apenas um jovem.
_ Você é só uma vergonha.
_ Temos alguns bons valores.
_ Vocês sequer formam um nação.
_ E isso é bom, porque pra quê se ter uma nação se ela vive em guerra?
_ Eu sou o devastador e quero te destruir pois vossos caminhos não me agradam. Eu quero tudo agora.
_ Estou me desenvolvendo, eu e meus cidadãos, cada vez mais depressa.
_ Eu não quero saber.
_ Então tente me devastar e verás que eu não fujo da luta.

___

quinta-feira, 26 de abril de 2012

congelo

cinco quilos de açúcar, por favor
preciso afogar minhas mágoas em águas traiçoeiras
águas açucaradas
e quem sabe depois jogar um salzinho
fazer um soro caseiro pra equilibrar os líquidos no corpo

sobrevivi a uma morte
saí dela melhor e melhor
dando chances à vida
para ela se fazer valer
com toda diversidade de flúidos que tínhamos como quando éramos crianças
sol, lua, outono, inverno

me congelo no inferno

_
escrito ao som do álbum Diamond Eyes do Deftones

quarta-feira, 25 de abril de 2012

uma palavra para... (brincando de poesia) VII

- tédio --> anchor
- doença --> rye
- queda --> buck
- saúde --> drink
- independência --> obstacle

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Cindy Beautiful Nightmare

Cindy Beautiful Nightmare havia ido às compras no último Sábado para ser feliz novamente. Felar com as compras, felar com os estabelecimentos comerciais, pelo menos.

Sangrou na Sexta seguinte. Um rapaz com uma faca dissolveu a garganta dela em sangue, que derramou, derramou, com ela ficando com cada vez mais cara de assustada, em seus últimos golfos de vida.

Cindy Beautiful Nighmare foi enterrada numa Segunda, não se sabe bem qual Segunda. Foi o rapaz que teve o desprazer de degolá-la quem cuidou disso. Ele era meio preguiçoso. Esquartejou ela em seis pedaços e os colocou em um freezer. Não, eles ainda não tinham sido enterrados, não em um freezer. Numa dessas Segundas, que não se sabe qual, ela foi enterrada. Um pedaço em cada bairro da cidade do degolador. Ele queria lembrar de Cindy quando estivesse em todos eles. O primeiro ao Norte da cidade foi um bairro chamado Chica Punta. O segundo, Del West, mais ao Oeste. Um pouco mais pro leste estava situado o Sem Fio, que era cortado por uma bela ponte por cima do rio Das Águas Azuis. Nesses três foram-se três partes do corpo da nossa Cindy.

Tudo isso enterrado em uma só Segunda. Não há indício de uma segunda Segunda. A cabeça ele enterrou no seu bairro, Kinta Beira, um bairro um tanto quanto pobre, por sinal. Ele queria a cabeça bem próxima dele, todos os dias. A xana ele queria bem perto também, mas não tanto. O que ela fazia com a garganta ele gostava até mais do que o que fazia com a xana. Enterrou a xana no bairro ao lado, Zé Quinhentos, um antro do tráfico de drogas. O resto foi no Cantina de Hoje.

Com ela toda enterrada, em devidos terrenos baldios da descontraída cidade o assassino/coveiro profissional pôde descansar, lembrando de uma última declaração de amor que Cindy fez: _ Eu quero ser enterrada viva, quero seu cacete me fodendo feito terra e caixão. Quero morrer sufocada pelo seu pau, te estripar por aguentar o quanto mais possível você me foder. Arrancar seu pau junto com suas tripas de encomenda fortuita usando apenas a minha xana, senão o meu cu. Me arranca a cabeça, enfia esse cacete bem, mais! Mais! Fundo em minha garganta. Deixe minha vida se esvair em sangue, em gozo da minha xota no seu pau. Quero ser esfolada, mais que apreciada, usada, com ou sem formol. Arranque-me as pálpebras e assim não poderei piscar na foda, deixando ela mais intensa. Eu sou seu pesadelo, seu derradeiro regozijo, a paz até mesmo em seu mijo. Quero seu sorriso pois o pesadelo é amigo, para assim ser pior a cada instante. Um lindo pesadelo, me abrace e me mate, me encontre e me abafe, jogue sal, jogue terra, cuide de mim, sou uma só entrega, com sal, com terra, em minhas partes esquartejadas, enterre bem a sua pica em mim, enterre bem o meu corpo, com terra, com sal, pra não dar cheiro, queimei seu dinheiro. Agora o que eu quero é sossego, com sua faca e seu manejo. Suspiro por este momento, sempre o último em seu contento. Sorriso e tormento. Suspiro e sangramento. Horror e morte. Amor e festejo. Morte e desgraça. Terra, sal e água.

_
escrito ao som do álbum Californication do Red Hot Chili Peppers

quarta-feira, 18 de abril de 2012

o medo e a caveira

sinto me isolado
sinto falta do gelo
eu gosto de tudo gelado
até não restar mais medo
que não esteja sendo concebido
nas entranhas, na nuca e no coração
medo total
medo fantasia
medo saudável
medo real
quem conseguiria discernir
entre o medo bom e o medo mal?
não estou aqui pra discutir
mas sem o medo a vida não seria tão cativante
escravo dele pode ser qualquer transeunte
cada um vai situar o medo em sua vida
da maneira que merece

aquele medo que fica depois de assistir a um bom filme de terror
é uma imagem do que chamo medo saudável

não confundir medo com receio
receio é racional
medo é emocional

uma caveira de bronze puxou seu pé no asfalto que era sua cama naquele sonho
gritou te sedando os ouvidos enquanto chupava seu sangue para se tornar prata
depois de já ser uma caveira de prata ela queria o ouro
infestou seu quarto com fantasmas e mordidas de besouros
explodiu tudo em vermelho com uma batida de palma só
encarnou em você, virou você, agora é carne e sangue...

_
escrito ao som do álbum Ummagumma (Studio Album) do Pink Floyd

terça-feira, 17 de abril de 2012

uma palavra para... (brincando de poesia) VI

- liberdade --> bonnet
- trabalho --> living
- primus --> calcium
- casamento --> obstetrician
- rejeição --> cyclic

segunda-feira, 16 de abril de 2012

dez!

...dez excelentes álbuns que fizeram/fazem significativamente parte de minha vida...


sepultura - arise (com essa capa alternativa)


metallica - ...and justice for all


alice in chains - dirt


slayer - south of heaven


red hot chili peppers - blood sugar sex magik


iron maiden - seventh son of a seventh son


primus - pork soda


soundgarden - louder than love


a perfect circle - mer de noms


deftones - diamond eyes

terça-feira, 10 de abril de 2012

óleo de ararapicaça

óleo de ararapicaça pra passar na pele da menina
garantir saúde, paz e felicidade
existe isso?
é, não existe

mísseis teleguiados a perseguem
foi atingida por um neste último final de semana
não sei se gostou, sei que engordou...

ralar a cara no asfalto não é saúde
ralar a cara na terra já é um pouco mais saudável
se lavar direito depois é uma obrigação, pra evitar inflamação...

fé na vida, fé na boiada
tem gente que sabe curtir um boi
esteja ele vivo ou morto...

esse sol de cinco horas da tarde vai derrubar meu monitor...
valeu, nuvens...

__
escrito ao som do álbum Green Naugahyde do Primus

domingo, 8 de abril de 2012

uma palavra para... (brincando de poesia) V

- satanás --> capital
- enigma --> radio
- red hot chili peppers --> cyanide
- obituary --> coordination
- thrash metal --> craze

sábado, 7 de abril de 2012

cenas de sexo em um cotidiano com Graúdo e sua garota

_ Graúdo, deixa eu arrancar suas pernas?
_ Só se você subir em mim primeiro...
_ Como em cima de você eu conseguiria arrancar suas pernas?
_ Use a xoxota feito uma tesoura...
_ Ah. Aí eu arranco seu pau.
_ Já é um bom começo...
_ Tá. Toma!
_ Ei, vá com calma!
_ Assim já está firme?
_ Ai, lógico... Ai! Ai! Ai! Ai! Ai! Ai!
_ Agora eu arranco de uma vez.
_ Ai!!
_ Chega.
_ Meu Deus, você me fodeu todo. Ar... Ar...
_ E aí, como que eu arranco as pernas agora?
_ Estou flutuando, minha delícia... Fica quieta um pouco...
_ Quero mais.
_ Ai! Espera só um pouquinho.

__
escrito ao som do álbum Blood Sugar Sex Magik do Red Hot Chili Peppers

quinta-feira, 5 de abril de 2012

geladinha

vocês me ajudam, colegas letras?
estou sem companhia
só tenho vocês
pra curtir um bom momento
ouvir uma boa música
combater o bom combate
sem nem ventiladores
sem ar condicionado
todos ao meu alcance
mas deixados de lado
porque eu quis viver esse momento assim
ao ar livre
mesmo que dentro de um quarto
esperando o gelo chegar, naturalmente
sim, eu conheço aquela garota
geladinha, nada é quente demais para ela
eu ainda sonho com aquele beijo na bochecha
macia e rosada, risos... ela é mesmo incrível...
geladinha! chega mais que minha gelada é você
nada de cerveja, tenho preferido o que acontece já por si só
sem aditivos demais
geladinha, geladinha, geladinha...

___
escrito ao som do álbum Diorama do Silverchair

quarta-feira, 4 de abril de 2012

livremente aceito

deixe eu descansar agora
depois de ter tomado meu banho
e ter tido um dia de trabalho

ouvir um bom disco da prata
relaxar escrevendo um poema
deitar e acender um suave incenso

me sinto cansado
bom de descansar
descansar fica mais gostoso
quando você está realmente cansado

o banho foi aos urros
agradecendo a água gelada
um bom dia ao ser humano

ação, produtividade
respeito, recolhimento
todos já sabem
que o trabalho é recompensador
e para tanto deve apenas ser
livremente aceito

sexta-feira, 30 de março de 2012

uma palavra para... (brincando de poesia) IV

- amor --> tonic
- sol --> dichotomy
- soundgarden --> brother
- estudar --> kibbutz
- culinária --> idealize

quarta-feira, 28 de março de 2012

uma musa

ela é linda, muito linda
docinha, azedinha
surpreendente
nos presenteia com bons presentes a todo o momento
nos passa um bom sentimento
de loucura e paz
um aconchego eterno
com respeito e atitude
beleza e espontaneidade
trabalho e fortaleza
e nos presenteará ainda muito mais
para todo o sempre

domingo, 25 de março de 2012

veia, vamos... viver, hein... morrer também...

sangue casto em piscina alheia
morte ocorrerá em um distinto planeta
por ordem de quem ela vai ser drenada até morrer?
agulhas e ferrões todos tristes ao entardecer

veias capazes de conter todo o sangue
o ser humano foi feito possível
agora que vivamos ao menos um singelo momento
que possamos lembrar para sempre
quando estivermos em outros recantos no vastíssimo céu
ou ainda aprendendo no inferno

quinta-feira, 22 de março de 2012

uma palavra para... (brincando de poesia) III

- dinheiro --> escalade
- beijo --> cyclamate
- amizade --> brown
- deftones --> object
- iron maiden --> raffish

você ainda luta

chutaram sua cara, transeunte?
tá doendo na alma?
cortaram sua cara?
e você não sabe se chora?

depilar a sua fronte
tirando camada por camada de pele
até estar completamente em carne viva
que pode ser retirada até começar a aparecerem os ossos
situação brilhante! uma obra de arte!!
eles não gostaram muito de você, eu presumo
injetar ácido no que resta das suas bochechas
esperar você não aguentar mais gritar e arrancar a sua mandíbula
arrancar ela fora da cara, está arrancada...
você ficou com cara de bobão, tentando balbuciar alguma coisa
seria blá, blá, blá... tentando falar
seria blá, blá, blá... querendo exprimir alguma coisa
seria blá, blá, blá... pra ter uma referência no sofrimento e ter a ilusão de poder melhorar...

chutaram a sua cabeça, o que resta dela, um lance meio futebol
nem é a sua praia, mas eles disputam a sua cabeça agora
que chute a arrancará do tronco de vez
mais um pouquinho de cloreto ministrado com ácido sulfúrico em agulhadas no seu cérebro, descansaram-se os chutes
é legal ver você tentando exprimir sons...
por um momento você conseguiu... é horrível... você ainda luta...

sábado, 17 de março de 2012

lagoa boa

a alegria de viver
você entregou pra quem?
não sabia que ela era só sua?
agora pelo menos vem nadar
há um copo de água, sal e açúcar
a lágrima que cura, que dói chorar

te arremessei à beirada de uma lagoa
lagoa boa
por aqui ficamos a bebericar as trepas
por aqui tomamos nosso banho de chuva fortuito
nem um pouco gratuito
por tão somente o ser, gratuito, apenas alto...
o caminho de desenvolvimento
nos interessa

seus dentes mordendo meu pescoço e eu sei
não, você não quer sangue, não especificamente
mas, se visse brotar da marca da sua boca em mim derradeiros pontos em sangue, você
curtiria...
e me abraçaria mais forte, contente, sem nem saber rir mais...
me dá um abraço e passa minha cicuta porque hoje o dia não se repete

saudades

___
escrito ao som do álbum Facelift do Alice in Chains

sábado, 10 de março de 2012

uma palavra para... (brincando de poesia) II

- tristeza --> capacity
- som --> outdated
- alice in chains --> skull
- felicidade --> toll
- silverchair --> tombstone

domingo, 4 de março de 2012

poxa, tenista

poxa, tenista, escorreu sangue da sua boca
a sua face está toda manchada de verbo e carniça
escolheram você para o campeonato
mas o campeonato é ingrato

um tropeço e você seria do trânsito
dos carros no trânsito
você atravessando a rua e, tropeçou
você seria dos carros
vários deles passando por cima do seu corpo
das suas mechas loiras
do seu nariz apurado
da sua vontade de seguir em frente
do seu engano

poxa, tenista, você não esteve frequentando as aulas na sua escola
pra quê tirar tantas notas baixas, tenista
não na escola, mas na vida
e na escola também
pois não é qualquer escola que é escola de fato
talvez seja por isso, tenista

sua garganta foi rasgada
com um golpe e meio de faca
logo enfiaram uma espada pela sua boca até o seu ventre
e quando você desfaleceu
mas ainda consciente
enfiaram outra do seu cu
sim, tenista
você foi empalada
está viva ainda
com um grau distante de semi consciência
mas viva

às vezes você tem um espasmo de despertar
e sente gemendo o seu corpo a girar no espeto
que as suas empalações pela boca e ânus permitem
você está sustentada acima de fogo
em um espeto que gira para um lado e por outro
às vezes completando trezentos e sessenta graus
fica mais mesmo é do lado esquerdo, inclinado
depois do lado direito só de passagem
voltando ao lado esquerdo
e raramente virando de vez, em trezentos e sessenta graus novamente
é uma terapia pra você
quem arriscaria dizer que não?

finalmente você começa a vomitar sangue
parece que sua hora chegou
com a espada fundo no seu âmago e você tentando, é, conseguindo, em espasmos cada vez maiores e assustadores, vomitar
vomite mais, tenista
a casa é sua
fique em paz
tudo vai valer a pena
você será feliz
faça o seu melhor
tudo vai dar certo

pena que... você não morre fácil, tenista...
chega, tenista, chega de vomitar, agora uma substância viscosa verde
como se você estivesse se limpando de um mau espírito
buscando uma nova chance

seu amigo agora conseguiu um taco de beisebol
e se pôs a estourar o seu crânio com tacadas cada vez mais fortes
você demora demais para morrer, tenista

com um último estouro eu vejo seu crânio desistir
agora é só a massa pútrida natural de seu corpo

seu amigo escorregou no sangue, risos
sim, ele riu
foi engraçado... risos...
ele ainda ri...
o que fará com você agora? digo, com o seu corpo
ele continua a rir... ele é frio, tenista...
pegando do sangue e batendo contra o peito, se sujando todo, e rindo...
é engraçado para ele, acredite, engraçado demais, pois no fundo ele te ama, tenista...
te matar foi apenas uma necessidade

um dia ele parará de se divertir com você, digo, digo? com seu corpo? não, tenista...
a parada não é só com a sua carne, tenista, com sua carne cada vez mais fétida...
ela passou agora e servir de referência para o quanto fede sua alma, tenista...
ele te ama, tenista... mentira, desculpe-me, ele te odeia e não sabe o porquê
o quê? não sabe o porquê? não, tenista, você é quem não sabe o porquê...

rezará por você
todas as noites
para o fantasma da meia-noite ser a sua companhia no inferno

pra você ter referência no inferno do que é a vida, não para te aliviar, mas para te dar referência...
sim, por exemplo, você sendo afogado em um lago de sangue, sofrendo bastante e tal, sem parar, aí de repente você se sente como que com uma chance de viver longe daquilo, você se sente bem!
não, tenista, é só pra te dar referência, esperança, com alternâncias entre o mau e o bom, apenas para o mau continuar fazendo efeito cada vez mais...
brincar com a sua esperança, tenista

seu amigo jamais te abandonará
só o faria se pudesse ter certeza de que você não existe mais
uma vez por outra pode te deixar de lado
mas, a certeza de que você não existe mais é um tanto quanto difícil de ser alcançada

___
escrito ao som do álbum Among the Living do Anthrax

sábado, 3 de março de 2012

cicuta ministrada em cem mil por cento

e...
e...
e... eu era criança
e...

e compensava assistir ao Freddy na casa de uma amigo que morava rua acima
e depois a gente voltava pra casa, descendo a rua no escuro, no maior clima

great southern land era algo mais que um grande hit
...and justice for all chegou na cola, indizível, por volta do começo dos anos noventa
em vinil, sim...
em vinil e no meu National, meu, sem igual...

a morte do demônio com o áudio ligado no aparelho de som...
midnight oil, iron maiden e sepultura servindo de trilha sonora pra uma reprodução caseira de filmes pornôs...
e a gente vai crescendo...
com toda a onda da cicuta
cicuta ministrada em cem mil por cento mais do que o oxigênio assimilado...
apenas tentando simbolizar

e então veio A Caverna
mas A Caverna já era nos anos 90
mas, sim, aqui foi considerada a passagem dos oitentas para os noventas
UMMAGUMMMA
sim, nós dançavamos ao som do Ummagumma do Floyd

vivíamos em uma cidade abençoada

sexta-feira, 2 de março de 2012

uma palavra para... (brincando de poesia)

uma palavra para...

- metallica --> cyclamate
- mulher gaúcha --> glum
- megadeth --> obscure
- slayer --> glutton
- sexo --> cyclamate

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

O Castelo de Adriana

E então pousavam elas as andorinhas pela beira do Rio Lugote, comendo uma bicadinha de alguma coisa aqui e ali, enquanto as nuvens encobriam o céu ocasionalmente hora sim hora não, numa tarde que se fazia noite a cada minuto que passava.

Adriana não gostava muito do castelo em que morava. Era bem servida, tinha água limpa sempre à disposição, comia do bom e do melhor, mas não gostava do castelo. Sua família mudou-se para ele dez anos atrás, mas o que são dez anos atrás? O tempo corre mais do que um serviçal preparando mais um pescoço pra guilhotina, e ela não gostava do castelo. Dez anos vivendo nele, mas sem gostar dele.

Ela se aborrecia por causa das paredes. Elas tinham vida própria. Ela ouvia as paredes. Elas estavam vivas. _ Elas matam. - pensava. _ Elas podem matar! - acrescentava.

Acordando da noite anterior, lá estava Adriana quieta em sua cama, olhando ao redor e não gostando nada daquilo. Já reclamara com o pai. Ele não deu atenção a ela. E poderia entregá-la à Igreja como bruxa se ela continuasse com aquelas estórias de castelo mal assombrado. Ela já estava no limite, após dez anos de desconforto. Eram apenas ela, o pai e a mãe.

A mãe de Adriana até dava alguma atenção a ela, mas sempre acabava dizendo: _ Vai passar, minha filha, deixa que vai passar...

Numa quarta, como se ser quarta mudasse alguma coisa ou desse alguma característica especial ao dia, Adriana foi assassinada. Pelas paredes. Sim, pelas paredes.

Ela estava sentada em sua cama, quase deitada quando viu escorrer do teto um terrível
e pasmoso líquido vermelho cor de sangue. Ficou como que hipnotizada por ele, e ele escorria, escorria... Quando ela já estava completamente em transe, a parede à sua direita se deslocou, se desprendeu do seu lugar e rapidamente se pôs à frente dela. Bocejando um: _ Aqui era mata, agora você morre, demônio escuro está comigo!! - mas Adriana ainda não estava apta a se desligar do transe. Veio a parede da esquerda, e em um tom meramente violeta se pôs a frente de Adriana, dizendo: _ Aqui putinha não nasceu, aqui putinha morrerá! - e em um forte pulo entrou dentro de Adriana pela boca, descendo pela garganta dela até chegar ao estômago e estourá-lo. Mas a dor não foi suficiente pra tirar Adriana do transe. Por isso ela não gritava, por isso ninguém a ouviria. Será que, de qualquer modo, alguém ouviria?

O teto desabou, impessoal, sem palavras, sem gracinhas. O castelo havia desmoronado. A parede detrás de Adriana se tornou tão branca, tão gélida, que foi pouco a pouco abraçando Adriana, e dando a ela a oportunidade de, pouco a pouco, acordar do transe, e na proporção em que ela acordava, a parede ia sugando sua alma, seu corpo, seu querer, seu viver, seu ser. Gélida com uma mão morta. Adriana foi desaparecendo e, se alguém estivesse ali para vê-la, não saberia dizer se Adriana estava desconfortável com aquilo ou se estava apreciando! Até que num estalo a parede solveu Adriana por completo, com uma corrente elétrica que inebriou sua mente, mente que ainda restava, e que não mais restou.

___
escrito ao som do Black Album do Metallica
gelo

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

ensabugo

_ Jogou os ensabugos tudo fora?
_ Não, deixei pra ensabugar ainda.
_ Tem muita menina que gosta de ensabugar, não é?
_ Se tem, é ensabugo pra todo lado.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

carne pra quem quiser...

1

_ Tô colocando os patinho pra piar...
_ Mas, patinho não pia, quaquareja, não é, Piana?
_ Ah, já tô colocando os patinho pra quaquarejar...
_ Vai matar eles de fome, isso sim. Essa hora já da manhã e eles não comeram nada ainda. Ficam aí nesse coro seu, quaquarejando...
_ Deixa comigo que meus patinhos quem quaquareja sou eu.
_ Quaquareja até eles morrerem de fome, né, Piana?
_ Quaquarejar com fá ou quaquarejar com ré? _ perguntava Piana aos patos.
_ No que eles respondiam: _ Quá, quá! Quá quá quá quá!! _ e ela entendia.
_ Mas então, Piana, falando com pato agora?
_ Eu entendo o quaquarejar dos meus patinhos, me dá licença ou tá difícil?
_ Ah, quer saber, licença toda, eu tô fora daqui...
_ Tchau, mas deixa meus patinhos comigo, não leve um sequer, tchau...


2

_ Panela cheia é que faz comida boa...
_ Mas, meu Deus! Quantos dos meus patinhos você colocou nessa panela?
_ E, Piana, sai pra lá, porque isso daqui tem autorização do papai.
_ Mas, meus patinhos!! Quantos? Um, dois, três, quatro, cinco! Ah, sua desossada! Você vai me pagar caro por isso.
_ Pagar porquê? Não estou aproveitando a patada toda antes que eles caíssem mortos?
_ Meus patinhos! Meu quaquarejar!!
_ Vai ficar uma delícia. Fica em paz aí, que de pato eu entendo...
_ Mas, meu Deus! Meu Deus! Me ajuda!! Me ajuda porque eu não sei o que posso fazer agora!!!
_ Patinho um, patinho dois, patinho três! Todos bem quentinhos na minha panela! Vai ser super legal comer todos eles de uma vez!
_ Ah, meus patinhos, meu quaquarejar.
_ Vai lá fora porque se você quer pato vivo lá ainda tem.


3

_ Como professor de Ciências que sou, devo explicar a todos vocês meu alunos o porquê de não se comer carne de pato ou outro animal que for, ao contrário do que acabou acontecendo na estória que acabei de passar pra vocês. É só se lembrar de uma coisa: animal é porra germinada em um óvulo. No caso do conto, a mulher encheu a panela de porra de pato, nada mais do que é a carne do pato. Boi, frango, tudo a mesma coisa. Imagine vocês almoçando farto um prato e tanto de porra de boi. É a mesmo coisa... É uma nojeira, desculpe se não achei expressão melhor.

_ Professor, mas eu gosto de porra de pato mesmo assim...

_ Seja feliz. Pode ser até compreensível as mulheres comerem carne, se bem que tenham que ser um tanto quanto depravadas para tal feito. Agora pra homem, não é coisa desse mundo não.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

minha lista de melhores do metallica

black album
...and justice for all
reload
ride the lightning
st. anger
load
master of puppets
kill ‘em all
death magnetic

sábado, 11 de fevereiro de 2012

elimino o excesso

eu sinto um ar escabroso
um quê de aritmética
não, bobagem...
é só uma goteira no fundo da minha rua
alimentados ratos e sabedorias
gotejando ao livre jogo da guerra

a lua agora é orgasmo e você minha guerreira
elimino o excesso
vivo você bem lá
iluminada pelo sol que sou
ignorada pela minha ignorância
que não será esquecida
será lembrada
e estuporada em tormento, em prazer
a um grau maior que cem
bem, não sei se sou são

apenas sigo, irmãos
pegaram vocês pelas cabeças e vos degolaram, decepando-as...
quem sabe o gelo é nosso em algum outro dia?
triturado, manso e farto
vivendo meu infarto
a cada segundo

bela moça vem comigo
mastigar o osso da miséria
seguido de um manusear de esperança
que nos valerá um dia
sempre mais e mais
deixei pra lá os cachaçais
agora eu quero é mais
de você
de meu bem querer
de beber....
você...

___
escrito ao som do álbum Vs. do Pearl Jam

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

dá pena

e cair o pintinho da gaiola
e o que ele estava fazendo lá na gaiola
e agora que as penas dele ainda são amarelas
saberá ele voar como a ave que é ou ficará se imaginando um filhote de faisão
brincar de comer umas minhocas certamente o apetecerá
levar um corte na garganta pra ir pra panela corriqueiramente poderá acontecer...

as crianças exclamarão: _ Mas, que pena que dá!
quando ele estiver sendo pelado em água quente antes de ir pra panela... é pena pra todo lado...
o pai não deixa falar: _ Coitado, coitadinho!
então a mãe e as crianças disfarçam, dizendo: _ Mas, ai que pena que dá, que pena que dá!
daí que vem a expressão: _ Que pena!

_ Vale a pena, pai!?

___
escrito ao som do álbum Vitalogy do Pearl Jam

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

era uma vez uma hidrelétrica...

dias além
dias agora também, porém
ainda em preparo
sempre em preparo
pra algo melhor...

viver o bom
ser agradável
cada momento
um dia sangrento

até o dia da enchente...
alguns dias são especiais de fato
todos o são
mas alguns parecem fibrilar o olho da coruja com mais violência

aquela barreira da hidrelétrica
não era planejado que ela se romperia
se rompeu em sangue...
o sangue esburrou, o sangue derrubou, o sangue se avolumou
de uma tal maneira
de uma tal maneira
de uma tal maneira
ali!

não

poucos testemunharam
a barreira de sangue elétrico se romper...
chuva de sangue
estão agora no aguardo de ver...
pois algumas cidades estão debaixo de... sangue...
e agora só falta chover...
pra surgir
aquele brilho especial
de gota de chuva...
sangue
por todo lugar...

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

o tempo passa...

bebendo sangue quente
ela apreciava
prefiro um pão com queijo e manteiga
ao sol ou à lua
houve a canção vampira
e mais tarde a canção ensolarada
uma boa curtição em cada uma
um bom ouvir, um bom viver
um morrer que deixa nascer
nasce

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

mal

casaco do chamado
antes linha costurado
dementes antes também foram
simples mina de churrasco

garantir a dose e a dose
mergulhar em patinete
sete vezes frio galinha
sentiu-se mal
e só

sábado, 14 de janeiro de 2012

ruelas

catarata agora enxágua a rua e a avenida
face toda agora inchada deixa dor e agonia
lembra lá de respirar pelo pulmão e bulimia
antes nunca do que agora o sermão e a dopamina

era quando mesmo aquele momento de socialização eterna?
bebeu, babou, que fosse, agora já não é mais um problema
respirar, matar, deitar, correr, traços fortes de ruelas
vim aqui buscar você

sábado, 7 de janeiro de 2012

caldeirão

execração da humanidade
tiroteio com a rapaziada
tiração de onda danada
mas que TV é essa?

frio poderia estar
e doentes eles continuariam a ser
vivamos a cura
constante e desafiadora

um quarto pra cada um
um quadrado sempre será quadrado
se for mantido como tal
aumentado ou diminuído
quadrado ainda será

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

mais...

lápide aparenta
um grande bom pesar
morto está à chuva
deixando-se molhar

obras corriqueiras
artes de piscar
grandes são as colheitas
venha pra cá abraçar

fazer ficar mais fácil pra você
nada mais

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

acesas

um pão com manteiga e café
e de repente você lembra de toda a mágica de quando você era criança
um hábito mantido
de sabor e aroma inigualáveis

manter-se diante do inimaginável horizonte
respeitar tudo o que podemos ser
viver o dia, agora
com otimismo e entusiasmo
coisas que a nossa infância nos lembra
e que podemos manter acesas
para sempre

domingo, 1 de janeiro de 2012

estranha vaidade

nunca que uma mulher...
nunca que uma mulher...
nunca que uma mulher...
trocaria o melhor beijo por vaidade?

eu não sei dizer
trocar o melhor beijo
por vaidade?

deve ser possível sim
nesse mundo estranho
mas acho difícil
acho difícil

cada coisa que acontece
que desgraças assim podem chegar a acontecer...