domingo, 15 de julho de 2012

de fato querido

dia
noite
sossego
coito
lua
sol
trabalho
vida
morte
escolha
sábado
domingo
segunda?
conquiste
brilho
empecilho
superado
caminho
feito
ação
vida
morte
união
progresso
tranquilidade
modéstia
humildade
respeito
reforço
amigo
de fato
querido

ninguém vai me tirar do meu centro
os comédias morrerão ao relento
não importa o quanto tentem se esconder
fazendo de tudo só pra dinheiro ter
a justiça provém com equidade
e de você que nunca mais vi tenho saudade

_
escrito ao som do álbum Low do Testament

3 comentários:

reinaldo del trejo disse...

Belo Poema.
Achei um pouco melancólico, meio que querendo expressar algo que está no mais profundo sentimento.
Deve ser foda, e nada mais bacana do que escrever para se livrar desse peso.
Essa aranha é massa haha!

Lucas Montenegro disse...

Gostei do poema =)
Não é muito o meu estilo, mas gostei, e foi bem feito. Eu gosto quando o leitor tem uma grande abertura pra fazer sua própria interpretação, e acho que poemas desse tipo conseguem isso.
Parabéns, e um abraço!

Estudo Azul disse...

gostei do seu "estilo" cara.. rsrsrs passa lá no meu blog ?http://www.estudoazul.com/