sexta-feira, 17 de agosto de 2012

te mordia

e o que então era sangue
e o que então era cedo
transbordou pelo vale do medo
da incerteza e da razão
te conheço não

livres padarias pelas ruas
de qual delas vem seu pão
letargia, amor, perdição
pelos olhos de um advogado pleno
vou também tomar veneno

olhos claros e esbugalhados
carne boa mas não salva
não há serventia
para o que não é de verdadeiro valor
temor

dias ora castos
penhascos animados
para te engolir e te machucar
suas sombras e devaneios
que um dia você pudesse verter
em riqueza realmente

4 comentários:

palavras ao vento disse...

interessante o modo de escrita...

muito boa a poesia...

M!sunderstood disse...

Concordo com o rapaz aí em cima. Mas isso já é comum...Devo reconhecer que tens talento com as palavras.

"Carne boa mas não salva"

Essa frase em especial, me chamou a atenção. Acho que daria umas boas dissertações.

Ahh, a segunda parte do 'Danilo' já tá lá no blog. Aguardo sua opinião.

Um beijo.

Pergunte a uma mulher disse...

Muitas palavras negativas, mas ainda assim bela poesia! Que tal a próxima cheia de positividade e tão linda quanto?!!
beijosss

mariana prudêncio andreto disse...

Incrível,adorei a escolha de palavras *-*