domingo, 23 de maio de 2010

e aquelas uvas que você ia plantar?
ela não sabia o que era plantar
como a maioria dos seres humanos

e a solidão assolava a Terra
e os grãos ousavam ser embalados pela terra
só quero o melhor pra você
eu gosto da terra
eu gosto da minha semente

deixemo-nos morrer amor
viver amor
e morrer amor
existem frases que nunca serão ditas
simplesmente porque o número de frases possíveis é infinito

eu não sei se gosto da minha tristeza
e a terra embala a semente
eu chorei ontem
não lembro
mas provavelmente sim
mais seres humanos que choraram ontem, por favor
chorem comigo, hoje
pois a música é boa
e o meu coração está abalado

de que lado, de que lado?
do meu lado
se há um lado

no círculo pertinaz que envolve por completo a semente não há lados
a terra que envolve a semente é brilhante
a água virá se saciar
encontrar em que viver
a que servir
a quem amar

6 comentários:

Gabri disse...

Que lindo!
Eu acho que encaixa um pouco com o último texto do meu blog. Minha personagem sente falta de algumas palavras e frases que nunca lhe são ditas ou expressas. Sinto que o eu-lírico do teu poema se sente vazio.

Parabéns.

^^

Mayara disse...

Gostei do poema, ficou lindo *-*
E interpretei com vários sentimentos, tristes, que levam aos felizes, ou não! Enfim, gostei s2
Parabéns (:

Tainá Abreu disse...

Gostei, está muito bom. Parabéns :*

Yorrana Barbosa disse...

Adorei. Você escreve muito bem .
Parabéns pelos textos e pelo blog em geral.

http://dreamsofyorrana.blogspot.com/

Erzsébet disse...

Lindo, MESMO.
gostei deste trexo:
existem frases que nunca serão ditas
simplesmente porque o número de frases possíveis é infinito

Faz muito sentido logico, gostei mto do seu geito d escrever, parabéns pelo blog!

varguinho disse...

gostei muito dos textos

mas acho q tem q ter mais poemas e q sejam mais curtos