quarta-feira, 12 de maio de 2010

incerteza
para sempre
na mente
do que precisa
ter certeza

banido
amaldiçoado
seco
ou fudido na chuva

grilhões da morte te prendem ao passado
sobreviveria você?
se sente injustiçado?
há um sentimento que te persegue
você será ainda mais
não há compreensão para você
ninguém é compreensivo como você é

isolado
descartado
mudo
ou falante no asfalto

não há esperanças
suicidar não adiantaria
o problema é no espírito
e daí que se reflete no corpo?
no aqui e agora?
ele só vai se expandir se não tiver uma cápsula que o detenha
o corpo

o copo
da maldição
pesa nas suas mãos
bêba
só há você para isso
você é uma neura
própria e não-própria
você está no inferno
observando o paraíso
e os seres do paraíso
esnobam de você

devem te achar bom demais
bonito demais
e não merecedor

merecedor de nada
vai entender
é a vida
e quem sabe
não seja
realmente
a justiça divina

6 comentários:

Renèe T. disse...

Adorei a forma como você conectou os principais assuntos do poema! e gostei muito dele também :)


http://futurismologa.blogspot.com/

Marcos Silva disse...

extremamente interessante, com um toque surreal... cara viajei nisso... as vezes escrevo algo, si puder partilhar com vc ficaria feliz.... abrçs

Macaco Pipi disse...

o incerto agora é certo!!

Luiz Brisa disse...

adoro seus poemas
parece muzk
^^

http://vagalnerdkawai.blogspot.com/

Henrique Dias disse...

Não curto muito poemas,mas gostei das palavras que usou.

BLoG do CHARQuE disse...

que bom ...

O melhor blog do meu .... Bairro agora está com vídeos
http://blogdocharque.blogspot.com/
=*